«Era, então, Primavera» – notas sobre o 10º aniversário deste blog

Faz hoje dez anos que este blog começou a publicar-se, por iniciativa de um pequeno grupo que se formou na turma de  Jornalismo daquela que, se bem recordo, foi a primeira ou a segunda edição do mestrado desta especialidade na Universidade do Minho. Era, então, primavera. Em vários sentidos.

1.

Nascemos na peugada e sob a inspiração de um outro blogger que já tinha mais de um ano de avanço, o António Granado e o seu Ponto Media, um corredor de fundo, como se tem comprovado.

Mas nascemos numa envolvente ainda pouco habitada, se assim se pode dizer. Metemo-nos a sério. Basta dizer que a Elisabete Barbosa,uma das protagonistas e factor decisivo – pelas razões que mais adiante explicarei – viria a publicar, pouco depois, aquele que deverá ter sido o primeiro livro de estudo crítico sobre o fenómeno dos blogs e da blogosfera, precisamente em co-autoria com António Granado e com prefácio meu. E os dois, com mais duas alunas de licenciatura (uma delas hoje jornalista na SIC, a Sara Antunes Oliveira) organizamos na Universidade do Minho, em 18 e 19 de Setembro de 2003, o primeiro Encontro Nacional de Weblogs, com repercussão nacional através (como haveria de ser de outra forma?!) dos media clássicos, em particular a SIC e o Jornal de Notícias.

2.

Permitam-me uma nota pessoal, já que ela pode ter algum significado para avaliar como os tempos eram já, e continuam a ser, de mudança (de paradigmas?)

Eu leccionava, então, uma disciplina nova, intitulada Sociologia das Fontes Jornalísticas. Era nova em vários sentidos. Desde logo porque tinha nascido de um projeto de investigação coletivo daquele que viria a ser o Centro de Estudos de Comunicação e Sociedade da Universidade do Minho. Mas, também, porque tinha subjacente a ideia de que nada compreenderíamos  do que é o jornalismo se não estudássemos as suas fontes e não rompêssemos com uma visão idílica e naïf da sua natureza e dinâmica. Depois da profissionalização e instituição das fontes – uma autêntica revolução para a qual nos vinha alertando o académico luso-brasileiro Manuel Carlos Chaparro – seria preciso atender ao novo quadro que a Internet estava a configurar e que, naqueles anos inaugurais do novo século, começava a balbuciar aquilo que viria a ser conhecido como a web 2.0.

Ora, nas aulas de Fontes, procurávamos estar atentos a isso. Lembro-me vagamente que tínhamos para ler e comentar uns textos do Journal of Computer-Mediated Communication (já então em acesso livre), e que,no quadro do debate que se gerou, a Elisabete chamou a atenção para o significado que poderia vir a ter para a relação entre jornalistas e fontes essa coisa nova que estava aí a nascer e que se chamada weblog. Veio à baila, como exemplo conhecido de alguns de nós o Ponto Media. Eu conhecia também uma forma parecida que há alguns anos o Pedro F.(onseca) vinha desenvolvendo e que viria a dar origem ao seu Contrafactos e argumentos. E, viríamos então a descobrir, a própria Elisabete tinha acabado de lançar o seu próprio blog – o Jornalismo Digital, que ainda hoje resiste. Depois de alguma conversa, a questão surgiu como natural: faz ou não sentido lançarmo-nos, enquanto turma, na criação de um blog próprio, a abrir eventualmente a outros docentes interessados? O assunto transitou para a aula seguinte e a decisão foi pela afirmativa, ainda que o grupo dos que se entusiasmaram com a ideia se tivesse reduzido drasticamente. Além da Elisabete, de mim, da Dora Mota (hoje jornalista no JN) e, creio que o João Carlos Gonçalves (que se interessava por jornalismo escolar), ninguém mais se dispôs a pôr de pé o projeto. Se bem recordo, foi a Elisabete que foi ao blogger.com e criou lá o ‘Jornalismo e Comunicação’, dando-nos, depois, uma sessão de formação. De resto, poucos meses a seguir, vendo as potencialidades dos blogs para o ensino e aprendizagem do jornalismo, criei o ‘Aula de Jornalismo’, tendo a Elisabete voltado a ser a ‘formadora de serviço’ dos docentes que quiseram aderir.

Não posso dizer que não conhecia nada dos blogs, naquela ocasião. Mas tenho de confessar que foi no quadro do debate havido na aula, induzido sobretudo pela Elisabete, que eu me apercebi dos horizontes, alcance e potencialidades do fenómeno. De modo que, em mais de uma ocasião, disse e assumo que este momento foi para mim o primeiro e talvez mais ilustrativo caso de que, em cada vez mais situações, o professor não será tanto aquele que ensina (para os alunos aprenderem), mas o que proporciona o ‘setting’ e as condições para que todos estudem e aprendam. E digo, também, que isto é bonito, mas é mais fácil de dizer do que de fazer (bem feito).

3.

Não estou em condições de analisar o percurso deste blog, o papel que teve, em vários momentos, no acompanhamento crítico da actualidade jornalística e mediática. Outros o poderão vir a fazer com mais distanciamento. O contexto foi-se alterando significativamente, sobretudo à medida que avançava a segunda metade da primeira década do século XXI. Por outro lado, terminou em 2006 um projeto de investigação, o Mediascópio que envolvia boa parte da equipa do J&C e que tinha como objetitvo e método rastrear os acontecimentos da atualidade jornalística e mediática e os seus bastidores como sinalizadores de tendências e de problemas. De forma indireta, isso impelia-nos a recolher, tratar e publicar. Entre 2009 e 2010, a equipa do blog teve de se virar, de alma e coração para a organização de uma conferência mundial de ciências da comunicação e a actualização deste espaço começou a rarear, até que parou. A vida académica alterou-se também muito, num sentido que não facilita esta vertente, o que é certamente deplorável. Ainda assim, quisemos pôr fim ao silêncio e voltar ao espaço público, tirando agora partido da articulação do blog com outras plataformas e com redes sociais como o Facebook e o Twitter.

Em todo o caso, as dificuldades de debater e fazer dos blogs espaços vivos e intervenientes são manifestas. E, no entanto, esse esforço é cada vez mais necessário, em particular no campo jornalístico e mediático, até porque os media profissionais o fazem cada vez menos. Há lugar para um tipo de discurso e de intervenção no espaço público que nem é o discurso erudito dos ensaios ou da investigação nem os quase monossílabos e oráculos dos tweets e posts facebookeanos. Custa pensar e custa escrever. Mas sem pensar e sem partilhar, não vamos lá.

PS – Recordar é …esquecer (também). E reconstruir. Por isso, e como se tratou de um projeto coletivo, são bem-vindas achegas, leituras, interpretações, correções.

Anúncios

5 thoughts on “«Era, então, Primavera» – notas sobre o 10º aniversário deste blog

  1. Pingback: 10 anos de “Jornalismo e Comunicação” « Memória Virtual

  2. Este blog inspirou um primeiro blog que criei, chamado “Ponto de Análises”, que ficou ativo por alguns anos, cedendo espaço, posteriormente, ao “TV Digital em Portugal”, que já vai completar cinco anos. Acredito que fomentar novos meios de discussão é uma das mais nobres funções de um blog académico. É um orgulho para mim escrever neste espaço importante, que se mantém sólido no ambiente efémero da Internet, por ser um sítio democrático de ideias e análises consistentes. Parabéns a todos que circulam por aqui. Que venham outras décadas!

  3. …Parabens. Mais vida…por aqui ‘assaltamos’assuntos para denates entere curiosos de profissnao.Por aqui aumentou a curiosidade e com outros links escalei UMINHO da qual me orgulho ter conhecido um nova familia/amigos…Parabens.

Os comentários estão fechados.