Como íamos dizendo …

Há muito tempo – demasiado – que outros compromissos nos desviaram deste espaço.
E, no entanto, a realidade da informação, do jornalismo e dos media não parou. Felizmente que outros, como o Ponto Media, puderam continuar a publicar.
Outras vozes, como o Vai e Vem, surgiram, entretanto, e ganharam lugar de destaque na chamada de atenção e no comentário.
Enquanto isto, os media clássicos têm vindo a perder o pé, na atenção ao seu próprio campo, com a secundarização ou desaparecimento das secções e programas sobre media.
Até por isso, mas por muito mais do que isso, era importante voltarmos.
Diremos que a ecologia dos media, hoje, exige, cada vez mais, que se cuide dela.
A curadoria da informação e dos media aí está como um dos grandes desafios dos tempos que vivemos.
Rastreando o que se passa com:
os novos media;
as plataformas e redes sociais;
a proliferação de conteúdos e de formatos;
a procura de um lugar ao sol para o jornalismo online;
a digitalização da distribuição da TV;
a ética jornalística e da participação dos cidadãos;
a regulação e a auto-regulação;
a formação dos novos profissionais;
a análise da tecnologia e a crítica da razão tecnológica;
os poderes e estratégias dos actores e dos poderes;
a formação para uma literacia crítica sobre os media e uma educação para a comunicação
– eis alguns dos terrenos a que nos propomos prestar atenção.

Mediascópio é um conceito e uma ‘marca’: faremos deste espaço uma instância de atenção aos acontecimentos, situações e problemas, aos seus significados e contextos, procurando não esquecer (e convocar, sempre que possível) a investigação científica e os links com o contexto internacional.
E porque nos importa a conversa e o debate, gostaríamos de trabalhar de portas abertas a todos os que se interessam por estas coisas e partilham da convicção de que estas coisas são alicerces em que se funda e se refaz a vida pública.
Em tempos de grandes abalos e questionamentos sobre o modo como organizamos as nossas sociedades e configuramos os nossos modos de viver, importa não esquecer quer as realidades silenciadas quer os processos de silenciamento.
Mais do que um programa isto é a enunciação de preocupações que temos, enquanto académicos e enquanto concidadãos.

3 thoughts on “Como íamos dizendo …

  1. Ainda bem que regressam… os alunos, aspirantes e profissionais de comunicação agradecem que partilhem a vossa sabedoria.

    Obrigada.

Os comentários estão fechados.