Defesa do jornalismo é problema de cidadania

No momento em que, ontem, recebia o Grande Prémio Gazeta de Jornalismo 2009 por uma reportagem sobre a vida de Joaquim Ferreira Torres,o jornalista Miguel Carvalho achou por bem dizer isto (intervenção completa aqui):

“(…) acima de tudo, entendo este prémio como uma homenagem à Imprensa escrita e a todos aqueles que, de Norte a Sul, por vezes enfrentando a mais ignóbil falta de escrúpulos e de meios, se recusam a escrever sem sombra de paixão.
Quero, de resto, dedicar este Prémio Gazeta a todos os camaradas de profissão que, mesmo perante os ventos do avesso, continuam firmes na defesa de um jornalismo com memória, identidade e responsabilidade.
Os tempos não estão fáceis também para nós, jornalistas.
Há quem, sem qualquer ligação ao meio e a esta nobre profissão, pretenda impor-nos um jornalismo low-cost, padronizado, feito de Portugal sentado e idolatrias do óbvio, montado, cada vez mais, numa desumanização galopante.
Mas a defesa do jornalismo, a sua independência e responsabilidade, não é um problema de jornalistas. É um problema de cidadania. E deveria ser uma causa de todos nós. A dignificação do jornalismo e dos seus profissionais é uma garantida de sociedades mais fortes, exigentes e pluralistas.
Um jornalismo mercantil, fragilizado, precário e acessório, ao sabor de imediatismos e de modas é um risco tremendo para a democracia e as liberdades.
Eu sei que o jornalista não pode mudar o mundo.
Mas continuo a pensar que é nosso dever tentar exercer a profissão como se isso fosse possível
E para isso não basta ser livre. É preciso ter coragem.
Se não cuidarmos do que lemos, do que escrevemos e do que transmitimos, estaremos a contribuir para que se cumpra, sem volta atrás, uma velha sentença do escritor Mário de Carvalho: «Um jornalismo cão há-de merecer um mundo cão».”

Anúncios

5 thoughts on “Defesa do jornalismo é problema de cidadania

  1. alguém vai ter de olhar para as redacções deste país e apelar à revolta contra a canzoada que tomou conta de jornais, rádios e tv´s, na sua generalidade, portugueses.

    são cães sim, são cães quem se senta hoje na maior parte das chefias na comunicação social portuguesa, cães de aconchego nuns casos, cães de fila noutros, e ainda cães de guarda quase sempre.

    se não for de aconchego ao poder, é de guarda à oposição e de fila onde se distribuiu mais um biscoitinho calórico.

    gente pequena que fez das redacções acantonamentos marciais, sem pudor nem vergonha, traindo a memória de tantos que fizeram do jornalismo português uma merda digna de se ver.

    é disso, segura estou, de que fala o miguel carvalho, mas lamento concluir que já não existe capacidade de resposta para amarrotar estes tipos pequenos, e tipas, claro, que mandam nos jornais, rádios e tv´s e, já agora, agências…

    é gente má, de carácter-manicure a quem valia a pena declarar guerra. mas a que custo, a que custo se fará uma coisa destas??

    é ver como se agarram à ilusão de poder mascarado de poder mandar, é doloroso o confronto com a mediania mais pó de chão antigo… que gente, porra, que gente!!!

    ao que esta merda chegou!

    Rita

  2. Pingback: Defesa do jornalismo é problema de cidadania « Jornalismo e …Via Media | Via Media

  3. Pingback: Defesa do jornalismo é problema de cidadania « Jornalismo e … | Vivo Media Group

  4. Pingback: Tweets that mention Defesa do jornalismo é problema de cidadania « Jornalismo e Comunicação -- Topsy.com

  5. Pingback: Recommended Links for November 17th | Alex Gamela - Digital Media & Journalism

Os comentários estão fechados.