Sobre as virtudes da rádio…

Miguel Gaspar escreve hoje no PÚBLICO a pretexto da ‘interrupção’ do Rádio Clube:

«A rádio é hoje a que está mais perto de transformar menos em mais.»

«A agilidade da rádio ganhou relevância. É sempre a mais rápida e continua a marcar a agenda de todos os dias, apesar da concorrência de três canais televisivos de notícias. A Internet abriu-lhe um espaço para competir em terreno aberto com toda a gente. Tem imenso lixo, sem dúvida. Mas está muito menos formatada e muito mais aberta. Das entrevistas de Inês Menezes na Radar ao Governo Sombra, na TSF, encontro muito mais espaços de liberdade e muito mais terreno para o improviso.»