O serviço público na era do ‘overload’ informativo

“Num tempo de superabundância de informação, cremos ser mais importante do que nunca a existência de um serviço público de qualidade que acredite realmente nos valores que o mercado não fornece”.
A afirmação é de Nic Newman, fundador da edição digital da BBC e actualmente supervisor de jornalismo no departamento de tecnologia e meios do futuro da cadeia pública britânica, e vem publicada numa entrevista feita pelo diário espanhol ABC.
Newman explica a sua perspectiva:
“Há quem pense que a abundância de informação torna desnecessário o serviço público, e que o mercado se encarregará de resolver as coisas. Porém, o que se tem visto nos Estados Unidos e noutros países é que este modelo reduziu o espectro da informação: há muitas organizações, mas todas fazem o mesmo. Há uma enorme carência que se observa na cobertura internacional de qualidade, na cobertura política e noutros campos”.
Dir-se-á – acrescento eu – que os serviços públicos estão longe de proporcionar essa informação diversificada e de qualidade, que Nic Newman defende. Mas, perante isso, que fazer? Acabar com o serviço público ou exigir que ele se transforme e responda, pela diferença, àquilo a que, de outro modo, não teríamos acesso?

Para ler a entrevista: Nic Newman: «Un servicio público de noticias es hoy más importante que nunca»

IAMCR Braga 2010: candidatura de comunicações

Está aberto até 31 de Janeiro de 2010 o período para submissão de propostas de comunicação à conferência mundial da IAMCR (International Association of Media and Communication Research) que se realizará na Universidade do Minho, em Braga, de 18 a 22 de Julho do próximo ano.
Centrada no tema “Comunicação e Cidadania: Repensar a Crise e a Mudança”, a conferência realiza-se pela primeira vez em Portugal, numa iniciativa do Centro de Estudos de Comunicação e Sociedade, apoiada pela Associação Portuguesa de Ciências da Comunicação.
As submissões de papers são feitas directamente aos coordenadores das 15 secções, 14 grupos de trabalho e dois temas emergentes.

Informações complementares AQUI.

ERC debate futuro da mediasfera

A ERC (Entidade Reguladora para a Comunicação Social) organiza na próxima semana ( dias 20 e 21), no Auditório 2, da Fundação Calouste Gulbenkian, a sua III Conferência anual dedicada ao tema “A  comunicação social num contexto de crise e de mudança de paradigma”.
Este encontro encontra-se estruturado em cinco painéis de temas:

  • “O Futuro da Mediasfera. Impacto na Regulação”
  • “Que modelo(s) de negócio para a comunicação social?”
  • “Imprensa tablóide, revistas de sociedade e do “coração” e reserva da vida privada”
  • “Televisão Pública e Televisão Comercial: o que as distingue, o que as deve distinguir?”
  • “Sondagens e Jornalismo. Práticas e boas práticas”

A Conferência terá a presença do Professor Jeffrey Cole, Director do Center for the Digital Future, da Annenberg School for Communication que fará uma intervenção sobre a evolução da Mediasfera e o seu impacto a nível social, político, económico e regulatório.
A participação na Conferência é livre, estando apenas sujeita a inscrição prévia: AQUI.

Acesso e inclusão digital – relatório do OFCOM

Foi hoje publicado pelo OFCOM, organismo de regulação dos media no Reino Unido, o relatório “Access and inclusion – adigital communications for all”. Aborda o que tem sido feito e os próximos passos nos terrenos do acesso e da inclusão, nas plataformas digitais.

UMinho e RTP evocam os 50 anos do Telejornal

O Centro de Estudos Comunicação e Sociedade da Universidade do Minho e a RTP promovem, no próximo dia 19 de Outubro (segunda-feira), na Fundação das Comunicações, em Lisboa, uma conferência que visa assinalar os 50 anos do Telejornal.
O programa é o seguinte:
50 anos do TJTJ_50 anos1

Conselho de Redacção, ‘espécie em vias de extinção’

O programa da RTP2 Clube de Jornalistas, que vai hoje para o ar pelas 23.30, debate o futuro dos conselhos de redacção.
Saber se será o “Conselho de Redacção, uma espécie em vias de extinção” reveste-se de actualidade, quando, como salienta o CJ, “muitos os órgãos de comunicação social (…) não têm conselho de Redacção ou em que a sua existência raramente sai do papel”. São convidados Octávio Ribeiro, director do “Correio da Manhã”; Maria José Garrido, jornalista da TVI e delegada sindical e Susana Oliveira, jornalista e membro do conselho de Redacção da agência Lusa.
Numa emissão moderada por Dina Soares, haverá ainda um depoimento de
Francisco Pinto Balsemão, presidente do Grupo Impresa e autor, com Francisco Sá Carneiro, de um projecto de lei de Imprensa que contemplava a criação dos conselhos de Redacção, apresentado na então Assembleia Nacional, em 1970.

Ele há cada “coincidência” (II)…

É uma estratégia que parece ter indícios de uma qualquer grande marcha para o abismo.
Os desportivos de expressão nacional lá continuam a fazer de maneira muito idêntica, a usar linguagem muito idêntica e a ter opções editoriais…muito idênticas.
Hoje foi assim:
20091012_DesportivosIguais_wNão se trata aqui de insistir num olhar discriminatório (o ‘fazer de maneira idêntica’ não é caso único dos desportivos) mas antes de tentar perceber porquê.
Porquê assim e porquê de forma tão regular?

Textos da nova era do jornalismo que resistiram à prova do tempo

As propostas são de Doug Fisher, do blog Common Sense Journalism:

Ciências da Comunicação: doutoramento abre hoje na UMinho

Hoje à tarde, a partir das 15 horas, realiza-se a sessão inaugural da primeira edição Curso de Doutoramento em Ciências da Comunicação da Universidade do Minho, com um grupo de cerca de 25 estudantes.
A sessão, que decorrerá na Sala de Actos do Instituto de Ciências Sociais (ICS), terá como ponto mais saliente a conferência intitulada «As Ciências da Comunicação em Portugal e os desafios da contemporaneidade», que será proferida pelo Prof. Doutor Moisés de Lemos Martins que, além de Presidente do ICS e Director do Curso, é presidente da Associação Portuguesa de Ciências da Comunicação.
A entrada é livre.

Ele há cada “coincidência”…

Já não é a primeira vez que para aqui trago exemplos de primeiras páginas de jornais desportivos muito semelhantes, ou mesmo iguais, chamando a atenção para o facto de os jornalistas da “tribo” fazer opções editoriais com base em raciocínios também eles muito semelhantes.

Ontem, porém, a coisa foi diferente e, salvo melhor opinião, não teve a ver com uma qualquer “deformação profissional” dos jornalistas mas, sim, com a facilidade com que critérios comerciais se sobrepõem aos editoriais. Ora repare-se:

A BOLA - 4.10.09

A BOLA - 4.10.09

RECORD - 4.10.09

RECORD - 4.10.09

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Não é espantosa a ‘coincidência’ de dois jornais desportivos terem escolhido, no mesmo dia, dar a primeira página a dois jogadores que são patrocinados pela marca de artigos desportivos Nike? E fazerem-no até com um enquadramento fotográfico muito semelhante?… E ambos com umas bens salientes chuteiras da marca?… E sem que, aparentemente, motivos da actualidade futebolística chamassem Ramires ou Matías para as manchetes da imprensa da especialidade?…

Falando claro: isto são duas notícias ou são dois anúncios comerciais mais ou menos disfarçados? E não poderão considerar-se publicidade enganosa, na medida em que deliberadamente confundem (lançando também a confusão nos leitores) espaço publicitário com espaço editorial?

(A propósito, ver Jugular e ver a edição impressa do DN de 5-10-09)).

Política/Informação/Entretenimento

«… todos os principais candidatos às legislativas e autárquicas desfilam, obedientes, tementes e esforçando-se para mostrarem sentido de humor, em entrevistas a um programa de entretenimento, cujos relatos têm depois ampla cobertura jornalística. Claro que não está em causa o valor dos Gato Fedorento, mas apenas o princípio: se a informação está agora a cargo dos humoristas, qual será o papel dos jornalistas no futuro breve – contar anedotas? Depois da política-espectáculo, eis que demos o passo seguinte: o espectáculo-política. E todos acham normal.»

Miguel Sousa Tavares, in EXPRESSO, 03/10/2009

Mais de 500 revistas da Sage em acesso livre

A Sage volta a disponibilizar durante este mês de Outubro livre acesso ao texto completo da sua colecção de revistas de todas as áreas científicas. São mais de 500 e os artigos mais de 260 mil, com arquivo que remonta a 1999. Registo AQUI.

O ‘big brother’ de Cavaco Silva

Leitura: “O ‘big brother’ de Cavaco Silva“. Texto de João Lopes, no blog Soun+Vision. “Como viver — e, acima de tudo, como pensar — este imbróglio de desentendimentos e contradições a que chegámos?”, pergunta o crítico.