Jornalismo e Ciência

cartaz1O Centro de Estudos de Comunicação e Sociedade associa-se à ARCA – Associação de Repórteres de Ciência e Ambiente – e juntos promovem esta quarta-feira, dia 1 de Abril, um seminário para debater como se faz jornalismo de Ciência e Ambiente em Portugal. O painel de intervenientes é composto por quatro jornalistas, que vão representar de algum modo cada um dos sectores do jornalismo:

Imprensa – Elsa Costa e Silva (jornalista do DN)
Rádio – José Pedro Frazão (editor da Rádio Renascença)
TV – Arminda Deusdado (Farol de Ideias/RTP)
Online – Andreia Cunha Freitas (jornalista do PÚBLICO)

Este seminário, que tem na verdade um carácter de Workshop, porque pretende ter também uma dimensão experimental, começa às 14h30 e realiza-se no Auditório do IEC (Instituto de Estudos da Criança) da UM (quase ao lado do ICS). A apresentação é de Manuel Pinto.

A entrada é livre e não depende de qualquer tipo de inscrição.

Livro – Periodismo Digital

20090230_periodismodigital

Embora não seja um livro recente (edição de 2007) Periodismo Digital, de Luis A. Albornoz é uma sugestão de leitura – sobretudo se em parceria com o mais recente estudo de Ramón Salaverría e Samuel Negredo – para quem quiser começar a entender os esforços em curso há já vários anos em muitas empresas para reinventar o seu lugar num universo com regras ainda pouco claras.
O estudo de Albornoz apresenta-nos um panorama da situação em seis empresas ibero-americanas (elmundo.es, clarin.com, reforma.com, elpais.es, abc.es e lanacion.com) e fá-lo através de uma grelha de leitura que pode constituir um interessante ponto de partida para estudos semelhantes.

Livro – Innovating for and by users

20090330_ifbu

Foi recentemente disponibilizado o livro Innovating for and by users, coordenado por Jo Pierson, Enid Mante-Meijer, Eugène Loos and Bartolomeo Sapio. Trata-se de um projecto ao abrigo da iniciativa COST298 e tem por objectivo observar os efeitos da transição socio-tecnológica e dos alterados papéis dos utilizadores no design e na inovação de tecnologias de banda larga e nos média digitais.
Mais informação sobre o livro aqui e donwload da versão inglesa aqui.

Actas de seminário em “e-book”

cartaz-seminario_lasicsAcabam de ser publicadas (num e-book de acesso livre) as actas do seminário “JORNALISMO: Mudanças na Profissão, Mudanças na Formação”, que teve lugar na Universidade do Minho, em Setembro passado, por iniciativa do Centro de Estudos de Comunicação e Sociedade (CECS). Permita-se um destaque especial para o texto (inédito) da professora e investigadora americana Jane Singer, que transcreve a conferência por ela proferida na ocasão. Intitulado Barbarians at the Gate or Liberators in Disguise? – Journalists, Users and a Changing Media World“, o artigo aborda diversas questões ligadas tanto aos novos media como aos novos desafios com que  se confrontam os ‘velhos’ media. Textos mais ou menos desenvolvidos de Adelino Gomes, João Canavilhas, Abel Coentrão, Pedro Leal, Rui Rocha, Sandra Marinho e Manuel Pinto integram também esta publicação.

OBS* – novo número disponível

Está já disponível para consulta o nº4 do 2º volume da revista Observatório (OBS*).

Todos jornalistas? Nah!

3361760025_3651a71a24Num texto cuja leitura se recomenda o académico francês André Gunthert passa em revista muito do que se escreveu, de 2005 para cá, sobre a pretensa participação dos cidadãos no fluxo mediático.
Excerto:

Les outils du web dynamique ont considérablement développé les usages informationnels des particuliers, mais ceux-ci ne sont pas entrés en concurrence frontale avec la production médiatique. Ils ont bien plutôt constitué des univers parallèles, sous la forme de réseaux sociaux, régis par leurs propres logiques d’échange. Au final, le mythe de l’intrusion des amateurs restera comme une des figures manifestant la confrontation du journalisme avec le paysage de l’image numérique. Dans le contexte d’une paupérisation sans précédent de la presse, causée par la migration des ressources publicitaires, ce récit d’un antagonisme fantasmatique a eu pour fonction de conforter les professionnels dans leur rôle traditionnel de gardiens du sens et de la morale. Au détriment d’un véritable dialogue avec ces nouvelles ressources visuelles.

[Sugestão recolhida num Twitt de jafurtado]

Novo site do DN

20090319_novodn_0_home_w22

Está online desde hoje o novo site do DN, o último dos grandes diários nacionais a fazer a aposta numa nova presença.

Trata-se de um salto muito grande que chega para o posicionar ao lado dos demais.
Nalguns detalhes – sobretudo a estratégia de autonomização de algumas áreas – é melhor do que a concorrência, noutros é (ainda) pior.

Das declarações do director, João Marcelino, sobre o novo site transcrevem-se alguns excertos:

“Em primeiro lugar queremos duplicar já a curto prazo o numero de pageviews, e depois ser líderes nos generalistas”
“no on-line o jornal vai “bater-se pela actualidade segundo-a-segundo”

Aplaude-se o esforço  mas também se lamenta – como disse, em detalhe, num outro sítio – que a estratégia de lançamento tenha passado pela enunciação continuada de uma maior proximidade aos leitores e que, na prática, isso se traduza num cantinho lá no fundo (à direita) da homepage.

A última primeira página

p-i_final

Foi ontem, depois de quase século e meio de publicação. Acabou o impresso e passou exclusivamente para o online. De 170, os funcionários foram reduzidos para duas dezenas. Dos poucos que ficaram, todos passam a escrever, editar, fotografar, filmar. Foi o Seattle Post-Intelligencer.

(Via: Newspaper Death Watch)

Um dia para debater “as crianças e a televisão”

tv-e-criancasUm dia dedicado ao debate sobre “as crianças e a televisão” é o que propõe a Entidade Reguladora para a Comunicação Social (ERC) que sobre este tema organiza, no próximo dia 24, uma conferência. A iniciativa, que decorrerá no Auditório 3, da Fundação Calouste Gulbenkian, em Lisboa, contará com a participação de directores de programas e de informação dos canais generalistas de televisão, especialistas em estudos de televisão para crianças e jovens, juristas, professores, alunos e pais.
No âmbito da conferência, será apresentado, à tarde, o estudo “Um ano de programação para crianças e jovens na RTP1, RTP2, SIC e TVI”, elaborado para a ERC por uma equipa do Centro de Estudos de Comunicação e Sociedade da Universidade do Minho, sob a coordenação de Sara Pereira.
Da parte da manhã a equipa da Unidade de Monitorização da ERC apresenta um estudo sobre “Crianças que são notícia” a partir da mediatização de casos recentes. Segue-se um estudo de caso sobre as telenovelas juvenis, incidindo sobre “Morangos com Açúcar”, cuja autoria cabe à Unidade de Análise de Media da ERC.
A entrada nesta conferência é livre, bastando a confirmação de presença mediante o envio de um email para conferencia@erc.pt. O programa completo pode ser consultado AQUI.

[Declaração de interesses: estive ligado ao estudo realizado pela UMinho]

Acelera a migração da audiência para a web

A migração da audiência de media noticiosos para a web acelerou de forma acentuada em 2008, enquanto que a recessão afectou fortemente o investimento publicitário. Estas poderiam ser as duas principais notas conclusivas com que o Pew Research Center’s Project for Excellence in Journalism apresenta o seu “Estado do jornalismo nos Estados Unidos da América” no ano transacto, um estudo que vai já na sexta edição e que foi hoje divulgado ao início da tarde.

A deslocação das audiências para a web continuou a fazer-se sobretudo para sites de media tradicionais (um crescimento de 24%  nos 50 sites noticiosos mais relevantes), ainda que os rendimentos com a publicidade tenham ficado muito longe de tal subida e, no caso dos jornais, tenham mesmo diminuído.

Em jeito de balanço, os autores do relatório põem água na fervura relativamente às visões mais apocalíticas quanto ao futuro do jornalismo e da imprensa. “A noção de que o jornalismo tradicional se encontra em vias de extinção é exagerada”, salienta o estudo, acrescentando, ao mesmo tempo, que “a morte dos jornais não está para breve, apesar das falências e dos encerramentos”.

O estudo compreende um capítulo de natureza geral (“overview”) e capítulos sobre a imprensa, o online, a televisão (nacional, local e cabo), a rádio, as revistas e os media de grupos étnicos. Contém igualmente relatórios especiais sobre Citizen Based Media, Lessons of the Election New Venturese

Para ler / imprimir o relatório integral: AQUI.

Periodismo Integrado – novo livro

200903_book_salaverria_periodismointegrado

Está já disponível para encomenda o mais recente livro de Ramón Salaverría e Samuel Negredo – “Periodismo Integrado: Convergencia de medios y reorganización de redacciones“.
O trabalho observa oito experiências de integração de redacções (The Tampa Tribune, The Guardian, The Daily Telegraph, Schibsted, Financial Times, O Estado de S. Paulo, The New York Times e Clarin) – um contributo assinalável – e apresenta-nos um cenários de ‘tempestade completa’ em que dificilmente se vislumbram soluções uniformes para ‘a crise’.
É possível aceder gratuitamente ao capítulo sobre o Daily Telegraph e é possível fazer uma encomenda directa aos editores.

João Mesquita, 1957-2009

Morreu o João Mesquita. Uma excelente pessoa e um grande jornalista, nem sempre compreendido ou acompanhado como merecia  (mesmo por alguns que, nestes dias, lhe prestarão homenagem…). Conhecia-o há muitos anos, trabalhei com ele de perto em vários sítios. Foi meu camarada de profissão, em todo o sentido do termo, e foi “meu” presidente no Sindicato dos Jornalistas. A ele se deve, por exemplo, a célebre iniciativa que culminou com o referendo aos jornalistas portugueses sobre a aceitação ou não de uma Ordem Profissional (a votação foi esmagadoramente contra). Ele podia e devia ter tido mais oportunidades para trabalhar na chamada grande imprensa, de onde ‘desapareceu’ ainda muito novo (e se calhar não por vontade própria). Aliás, morreu muito novo, 51 anos apenas. Tal como outros camaradas de profissão, também eu estive com ele pela última vez em Maio de 2008, no funeral de outro grande amigo e jornalista, o Torcato Sepúlveda. Estive com ele aqui, em Braga, onde ele quis deslocar-se, desde Lisboa, para acompanhar o Torcato mesmo até casa. Ironia do destino, foi aqui, precisamente nesse dia triste, que me disseram que o João estava  doente: um cancro muito complicado. Lembro-me bem do abraço cúmplice que trocámos e de como ele me disse que era uma chatice agora quase só nos encontrarmos nos funerais dos amigos, quem seria o próximo… Começam a ser muitos, e isso dói.

Se alguém quiser conhecer um pouco melhor o João Mesquita, pode ler este texto do Sindicato dos Jornalistas, esta entrevista muito completa e aprofundada, ou os depoimentos do Henrique Monteiro (“Expresso”) e do José Manuel Fernandes (“Público”) .

Um grande abraço ao João — e obrigado por tudo o que nos deu.

20 mil euros para jornalismo de investigação

efij_logoTermina no próximo dia 23 o prazo para a apresentação de candidaturas ao Fundo Europeu para Jornalismo Investigativo, uma iniciativa da organização belga Pascal Decroos Fund.
Escreve-se no texto de apresentação do fundo:

Do you have a good idea for a journalistic story, that really could make a difference? Maybe it could even become a good example for others? Do you need funding for travelling, translations and time to research it? Do you have colleagues in other countries you trust and cooperate with? Then maybe the European Fund for Investigative Journalism can give you a research grant.
Good journalism needs good ideas, competent and committed journalists, supportive editors – and time and money. The latter is something, the European Fund for Investigative Journalism can help with.

É uma campanha muito boa lançada por dois portugueses ligados ao mundo do jornalismo impresso – Joana Maciel e Pedro Monteiro – e pretende tirar partido do carácter viral da net: disponibilizam quatro posters no seu blog (whatype), todos com mensagens positivas sobre o futuro do jornalismo, e pedem que sejam impressos e colados por toda a parte…a começar pelas redacções.

20090306_4posters_betternewspapers
Tamanhos para impressão: amarelo, vermelho, rosa, azul

[Sugestão recolhida no ContraFactos / Post replicado a partir daqui]

Público, 5 de Março de 2011

Fragmentos de uma cronologia futura

5 de Março de 2009 – O diário “Público” completa 19 anos de existência, faz um destaque de três páginas (o segundo em 15 dias) sobre “o maior desafio de sempre” à imprensa e ao jornalismo.

5 de Março de 2010 – Vigésimo aniversário do “Público”. A crise, conjugada com a vontade de enveredar por novos caminhos, leva a Direcção a anunciar medidas radicais para o futuro do jornal.

5 de Março de 2011 – O “Público”, já com nova Direcção, torna-se o primeiro diário português a a concentrar-se numa edição digital com nova filosofia e a publicar ao sábado uma edição de grande qualidade jornalística e gráfica em papel.