Alçada (1927-2008)

“Uma vez, na televisão, o Miguel Sousa Tavares perguntou-me porque é que eu não tinha inimigos. Eu respondi que um inimigo dá muito trabalho. Quando nas andanças da vida, alguém é desagradável comigo, deixo-o cair e não perco tempo com ele, muito menos a odiá-lo. Isto não é por bondade, é por gestão das minhas energias e, também, como já tenho dito, porque procuro ter uma visão estética da vida e o ódio e a agressividade são coisas muito feias”.

António Alçada Baptista in “A Cor dos Dias, Memórias e Peregrinações”

Anúncios

Leituras

[Clicar nas imagens para aceder às publicações]
yhe-future-of-radio

bernier

como_escribir_para_la_web

the-perfect-storm


Via: Newsletter do GMCS (1ª publicação); blogue Jornalismo & Internet (para as duas últimas)