Actualização de um manifesto

overholser_180pGeneva Overholser acaba de publicar uma actualização do Manifesto “On Behalf of Journalism: A Manifesto for Change”, publicado há cerca de dois anos.
Em 2006, escrevia ela que “o jornalismo, tal como o conhecemos, foi-se”. Hoje, anota ela agora, “acrescentaria que se abriu um vasto mundo novo diante de nós”. Não que as dificuldades e os medos se tenham dissipado. Mas…
“(…) so much has changed for the better in the past couple of years. In many traditional media organizations, newsrooms that were once innovation’s enemy now lead it. Old hands learn Drupal, bloggers adopt ethics codes. The old straitjacket about who is a journalist has been stripped off by the fast-emerging reality of aggregators and curators, citizen journalists and crowd sourcing. Collaboration and hybridization seem now to offer enormous potential”.
Geneva Overholser acaba de ser designada directora da Escola de Jornalismo da Annenberg School for Communication (Universidade da Carolina do Sul). Antes foi directora de The Des Moines Register, colunista do Washington Post , membro do conselho editorial do New York Times e provedora do leitor do Washington Post.

Anúncios

Uso da Internet cresceu sete vezes em dez anos

Cito da última newsletter da Marktest:
“O número de indivíduos que utiliza a internet aumentou mais de sete vezes de 1997 a 2007, tendo registado um crescimento médio anual de 23%. Em 2007, são cerca de 3,9 milhões os indivíduos que usam a rede global, um valor que representa 46.6% do universo em estudo.
Os mais jovens, os pertencentes às classes sociais mais elevadas e os estudantes são os que se destacam nesta matéria, com taxas de utilização da net bastante acima da média.
A maioria (55.4%) dos homens é utilizador de Internet, tal como 38.6% das mulheres, mas entre elas a utilização de Internet cresceu 10 vezes em 10 anos. A taxa de penetração mais elevada é observada junto dos estudantes: 95.8% deles utiliza a Internet, assim como 94.6% dos quadros médios e superiores, 94.4% dos indivíduos da classe social alta ou 94.2% dos jovens dos 15 aos 17 anos”.