Twitter na cobertura da marcha lenta do Porto

O cenário era “ideal” para montar uma operação de cobertura recorrendo ao microblogging participativo e, por exemplo, ao Twitter. Um eixo estruturante previsivelmente paralisado; uma confusão generalizada no trânsito do Porto; a necessidade de informação sobretudo para quem quer sair da cidade; gente previsivelmente em condições de dar informação de locais inacessíveis aos jornalistas…
Mas, que se saiba, nada disso aconteceu. Teria sido uma excelente oportunidade para o JN, em tempos de investimento no seu novo site. Vinda demasiado cedo?
Assim, resta ver a cobertura através dos takes da Lusa, com títulos que não deixa de ser interessante analisar:

# 14:04 – Protesto começa às 17h00 – Camiões entopem Porto para reivindicar apoios contra aumento de combustíveis (Público online)
# 17:55 – Trânsito no Porto ainda não foi afectado (JN.pt)
# 18:08 – Trânsito completamente bloqueado às 19 horas na VCI do Porto (JN.pt)
# 18:10 – Trânsito no Porto ainda não foi afectado (Expresso online)
# 18:16 – Camiões: marcha lenta já arrancou (Portugal Diário)
# 18:36 – Marcha lenta ainda não prejudicou o trânsito (Portugal Diário)
# 18:40 – Camiões começam a entupir Via de Cintura Interna (JN.pt)
# 18:44 – Entrada na cidade do Porto pela A4 já entupida, junto às portagens de Ermesinde, na A4 (JN.pt)
#18:52m – Camiões estão a ser encaminhados para Alameda 25 de Abril (JN.pt)
#19:16m – Nos primeiros 30 minutos entraram na VCI 127 camiões (JN.pt)
# 19:48m – Entrada na cidade do Porto pela A4 já entupida.

Anúncios

Quando os gatekeepers decidiam sozinhos

“Antigamente era esperado que ficássemos sentados quietos e deixássemos os gatekeepers [editores e outras pessoas com funções de selecção de notícias] decidir o que devíamos ver, o que devíamos pensar e o que devíamos fazer. Hoje a tecnologia permite que tomemos conta das nossas próprias vidas – quer seja através de blogues, de podcasting, das redes sociais, de sites como o My Space ou o Facebook, de wikis ou do YouTube. As pessoas estão rapidamente a adoptar uma miríade de tecnologias da informação que estão a emergir da Internet e estão a utilizá-las para se tornarem participantes activos na cultura.”

“Somos a primeira geração a ter acesso directo e individual ao mundo e às tecnologias emergentes. Somos a primeira geração a ultrapassar os antigos gatekeepers para comunicar com as massas – é disso que se trata, comunicar com os outros. E não deixamos que alguém filtre ou altere ou censure estas comunicações.”

Markos Moulitsas Zúniga, citado por Clara Coutinho, in Público – P2, 6 de Junho de 2008

150.000

Este blogue atingiu agora as 150 mil ‘page views’, desde que existe na plataforma WordPress (meados de Janeiro de 2007). Na anterior incarnação, de 2002 a 2006, no Blogger, esse número ronda as 630.000. O nosso obrigado aos que se interessam por este espaço especializado de informação e opinião.