“Conseguimos saber em primeira mão que hoje os jogadores vão comer uma sopa de grelos

“(…)

– Zé, e a propósito de jantar, o que é hoje o jantar da selecção?
– Olha, Tó, conseguimos saber em primeira mão que hoje os jogadores vão comer uma sopa de grelos, bife de vaca grelhado e uma sobremesa à base de maçã.
– E, café, podem beber café? E café? E café? Podem beber café?
– Segundo conseguimos apurar, ao jantar os nossos jogadores são aconselhados a ficarem-se pelo descafeinado, para não se excitarem, o treino começa de manhã e depois vem o jogo amigável. De forma que…
– … que não se podem excitar. Já percebemos. Zé, a propósito, as mulheres dos jogadores já chegaram?(…)”

Eduardo Cintra Torres, Isto está uma loucura, in Público, 31.5.2008

Microblogging |2|

  • Amanhã, sábado, a partir das 13 horas (GMT) bloggerse podcasters do mundo hispânico realizarão a III Maratona Podcastblog. Ao longo de mais de 36 horas debarter-se-ão a Internet, as TIC, o poder dos blogues, a censura na net, a filosofia da rede, podcasts educativos, etc. AQUI streaming para seguir em directo.
  • No número de Junho-Julho da American Journalism Review estes dois textos: Murky Boundaries – What are the guidelines for the personal blogs of journalists who work for mainstream news organizations? (Kevin Rector) e Bridging the Abyss Why a lot of newspapers aren’t going to survive  (Charles Layton).
  • Entrevista de John Byrne, director executivo da BusinessWeek e responsável pela BusinessWeek.com decalara ter sugerido à sua equipa que cada sábado toda a homepage fosse ocupada com conteúdos produzidos pelos utilizadores: “We need to think more about our audience“.

À espera dos hooligans

Um título no mínimo irónico que remete para uma notícia que até inclui vídeo: “La Suisse rouvre une prison désaffectée pour accueillir les hooligans de l’Euro“. Está no diário Le Monde.

“Um bicho diferente dos media tradicionais”

Francis Pisani partilha no Transnets algums reflexões a propósito de um colóquio em que participou em Itália e onde escutou responsáveis de media de diversas partes do mundo:

” (…) Le doute m’a pris, malgré tout, quand, écoutant discours après discours, je me suis parfois demandé si tous les orateurs comprenaient ce dont ils parlent en évoquant le web (qu’ils tendent à confondre avec l’internet). Tous ne semblent pas réaliser combien c’est un animal différent des médias traditionnels.

Ils savent qu’il n’est pas possible de se contenter de mettre en ligne, sous une forme légèrement différente, du contenu initialement prévu pour le papier ou pour la radio. Mais je n’ai pas eu l’impression que tous assimilaient le fait que les médias traditionnels ont en commun de s’insérer dans la logique du “one to many” alors que le web tire sa vitalité du fait que c’est une plate-forme sur laquelle nous allons trouver des informations obéissant aux logiques bien différentes du “many to many” (…)”.

Site do Clube de novo activo

“Questões de natureza técnica” fizeram com que o «site» do Clube de Jornalistas tenha estado inacessível quase três semanas (desde o dia 8 até ontem). Desde hoje que é de novo possível aceder aos conteúdos deste espaço informativo sobre o campo jornalístico.

Ecos do V SOPCOM na revista OBS*

Acaba de sair mais um número da revista OBS*, do Observatório da Comunicação, coordenado por Gustavo Cardoso e Rita Cheta. Nesta edição, uma parte é constituída por um bloco de artigos em inglês, apresentados num seminário realizado em 2007, em Moscovo, sobre “Future Directions in Broadband Scenarios and New ways to Design Scenarios”. O segundo bloco compreende um conjunto de textos apresentados no V Congresso da SOPCOM, realizado em Setembro do ano passado (e cujas actas estão prestes a sair). Desses textos, cujos títulos e links se indicam a seguir, dois são de duas doutorandas da Universidade do Minho (o primeiro e o último), sendo o segundo de um mestre pela mesma Universidade (esta referência, em si mesma, não retira, obviamente, nem mérito aos outros textos nem acrescenta mérito aos salientados; deve-se apenas ao facto da sua proximidade com a equipa deste blogue):

  • Carla Braga Cerqueira, A Imprensa e a Perspectiva de Género. Quando elas são notícia no Dia Internacional da Mulher: PDF
  • Fernando Zamith, Uma Proposta Metodológica para analisar o Aproveitamento das Potencialidades Ciberjornalísticas da Internet: PDF
  • Nelson Vieira, As Literacias e o Uso Responsável da Internet: PDF
  • Miguel José dos Santos Coelho, As Relações Públicas e a Gestão da Comunicação em Portugal: PDF
  • Maria Manuel Borges, A Propriedade Intelectual: do Direito Privado ao Bem Público: PDF
  • Rita Figueiras, A Agenda dos Comentadores e a Política Nacional nos Artigos de Opinião: PDF
  • Marisa Torres Silva, As Cartas dos Leitores no Público e no Diário de Notícias: PDF
  • Francisco Costa Pereira e Jorge Veríssimo, A Mulher na Publicidade e os Estereótipos de Género: PDF
  • José Ricardo Carvalheiro, Etnicidade e os Média: o “arrastão” de Carcavelos na Imprensa: PDF
  • Inês Albuquerque Amaral, A @migração para o Ciberespaço: a Dimensão Social dos Mundos Virtuais: PDF

Pollack, “A Calúnia” e o jornalismo

“África Minha”, “Os Cavalos Também se Abatem”, claro, mas também a trajectória de realizador televisivo (série “O Fugitivo”, por exemplo) – tudo isto a morte de Sidney Pollack nos faz lembrar. Mas é para “Absence of Malice”, que por cá circulou como “A Calúnia” que chamo a atenção, na esperança de que as gerações mais novas , para quem este filme possa ter passado despercebido, o descubram, ou gerações mais velhas o voltem a revisitar.

Em “A Calúnia” tematiza-se uma questão que eu diria cada vez mais actual: a manipulação dos jornalistas pelas suas fontes de informação. Mesmo dos jornalistas que não são venais, que querem ser sérios. Num clima de concorrência desenfreada, jovens sedentos de mostrar o que valem, estão particularmente vulneráveis e a vigilência nunca é excessiva. Porque a sofisticação dos processos ultrapassa com frequência o engenho mais prodigioso.