Lançamento: O JORNALISTA EM CONSTRUÇÃO

Deve estar já a “romper” nas livrarias o mais recente livro de Joaquim Fidalgo. O Jornalista em Construção. A obra resulta de parte do texto da tese de Doutoramento que o autor defendeu no início de 2007 na Universidade do Minho. Trabalho de enorme e reconhecido mérito, este livro será, naturalmente, uma referência inescapável da produção bibliográfica portuguesa sobre o jornalismo e os jornalistas.

Este livro procura analisar o percurso histórico feito pelos jornalistas, sobretudo entre a segunda metade do século XIX e a primeira metade do século XX, com vista à afirmação da sua actividade como uma autêntica profissão, socialmente reconhecida e juridicamente legitimada. Numa primeira parte, faz-se uma breve abordagem teórica da sociologia das profissões e dos diversos paradigmas que, ao longo das últimas décadas, foram sendo objecto de estudo e de debate. Na segunda parte, percorre-se o caminho, nem sempre linear, feito pelos jornalistas em diversas latitudes e em diferentes contextos socioculturais, procurando definir e autonomizar o seu ofício por relação com outros ofícios da comunicação. A conclusão genérica sugere que este esforço de profissionalização dos jornalistas tem sido um processo difícil, contraditório, feito de avanços e recuos, de tensões e negociações permanentes, à medida de uma actividade cuja catalogação suscita ainda hoje algumas controvérsias.

Texto da contracapa

Título nº 17 da

Colecção Comunicação – Porto Editora / PORTO

Anúncios

O mundo dos blogues

Sob o título “Um país de blogues”, o Público trata hoje como TEMA do P2 a blogosfera portuguesa. Num texto que cruza interrogações com a opinião de vários ‘bloggers’, constata-se que Portugal é um dos países onde, em termos relativos, «mais gente escreve em blogues e os lê».

Sinal positivo dos tempos, dir-se-ia. Como se lê hoje neste trabalho do Público, alguns nomes consagraram o seu estatuto no espectro da opinião pública portuguesa a partir dos blogues; alguns sectores da sociedade ganharam expressão a partir dos blogues; alguns laços se criaram entre elementos de uma comunidade que começou como uma pequena tribo para ser hoje uma nova versão da ‘aldeia global’ de McLuhan…

Pena, no entanto, que, sendo um país de blogues, não possamos dizer-nos também «um país com uma opinião pública numerosa, interessada e interveniente»!