Marcelo Rebelo de Sousa é sempre notícia?

Por força das minhas rotinas, a segunda-feira é um dia da semana em que, por norma, oiço a TSF no período entre as 6h30 e as 8h00. Reparo, por isso, com frequência que à segunda-feira Marcelo Rebelo de Sousa é quase sempre notícia. Não posso constatá-lo senão impressivamente, mas a verdade é que, pelo menos na TSF (hei-de ver o que fazem as outras rádios também!), as escolhas de Marcelo contêm um grande ‘valor-notícia’. Interrogo-me sobre a pertinência desta opção. Por que razão há-de a opinião do ‘Professor’ ser catapultada sempre (muitas vezes, pelo menos) para além dos limites do próprio programa da RTP? Não corre a TSF (e eventualmente outros órgãos) o risco de ser caixa de ressonância de uma linha de opinião que se constrói semanalmente?

7 thoughts on “Marcelo Rebelo de Sousa é sempre notícia?

  1. Salut!!

    A mesma interrogação assalta-me todas as Segundas-feiras. Curiosamente, poucos se preocupam com o Vitorino, e nenhuns com o Sousa Tavares e o Perez Metello.
    Suspeito, no entanto que as razões sejam pragmáticas.
    As madrugadas de Domingo para Segunda-Feira, são tramadas…

    * Isto não se aplica, logicamente, aos dias em qualquer destes comentários dá noticia.

    Bye!!

  2. Marcelo Rebelo de Sousa não é um comentador como os outros, por muito que a “realidade actual” o possa mostrar. É um ex-líder do PSD, curiosamente um partido que, desde a saída de Cavaco Silva, tem triturado líderes a uma média de um por cada dois anos (desde 1995: Fernando Nogueira, Marcelo Rebelo de Sousa, Durão Barroso, Santana Lopes, Marques Mendes e Luís Filipe Menezes). Se reparares, Madalena, o principal valor-notícia atribuído a Marcelo está normalmente relacionado com aquilo que diz… sobre o PSD. Estou certo ou não?
    Assim, descontando o eventual exagero e até alguma ânsia em fazer notícia daquilo que por vezes não é, acho que não é jornalísticamente possível ignorarmos o que Marcelo diz nos seus comentários dominicais.

  3. Bingo, Luís Miguel Loureiro! A previsibilidade e o alinhamento partidário-ideológico da maioria dos comentadores não dá grandes hipóteses ao valor-notícia. Pelo contrário, Marcelo, com maior ou menor maquievelismo, vai conseguindo, aqui e ali, ser iconoclasta nas análises que produz. Daí a atenção que os média informativos tendem a prestar-lhe.

  4. Mas à quinta feira acontece o mesmo em relação às opiniões do Pacheco Pereira na quadratura do círculo?

  5. Verdade, Vítor Soares e LML. Não deixa de ser curioso/sintomático que a última página do “Correio da Manhã” de segunda-feira tenha “sempre” um quadradinho guardado para o que MRS disse.

  6. Estou de acordo com algo dos últimos post’s.
    Os media adoptaram uma sub-espécie de “fazedores de opinião”, que, sendo protagonistas omissos da vida pública/política, garantem audiências com o seu mediatismo enquanto formatam mensagem nos convenientes jogos de poder.
    MRS é sempre notícia? É, pela segunda razão.

    A questão moral, eventualmente, coloca-se no “embrulho”…
    A linha é ténue. Não é fácil demarcá-la.

Os comentários estão fechados.