Tese de doutoramento sobre webrádio

Acaba de ser discutida e aprovada na Universidade Federal de Minas Gerais, na cidade de Belo Horizonte, no Brasil, a tese de doutoramento intitulada “Webrádio: novos géneros, novas formas de interação”, da autoria da investigadora Nair Prata.
O assunto merece-nos uma referência não apenas pela novidade do assunto – são ainda escassas as investigações em profundidade sobre o webrádio – mas também porque a autora fez parte do seu trabalho em regime de “doutoramento-sanduíche”, no Centro de Estudos de Comunicação e Sociedade da Universidade do Minho.
O objetivo desta tese é “conhecer os novos géneros e as novas formas de interacção na webradio. Para se chegar a esse fim, foi realizada pesquisa qualitativa, com corpus delimitado a 30 emissoras de rádio agrupadas em três grandes grupos (hertzianas, hertzianas com presença na internet e webradios). Em cada grupo, foram estudadas as duas categorias de análise desta tese: género e interação. Como parte do estudo da interação nas webradios, foi feito
ainda um levantamento sobre a usabilidade das homepages”.
A pesquisadora concluiu que “os novos géneros da webradio são o chat, o e-mail (mensagem eletrónica), o endereço eletrónico, a enquete e o fórum, nascidos genuinamente em meio digital. Mas também são novos, no suporte internet, os tradicionais géneros radiofónicos hertzianos. Trata-se de formas híbridas, nascidas da complexa tessitura digital da webradio”.
“A webradio – observa Nair Prata – pode ser entendida como uma constelação de géneros que abriga formatos antigos, novos e híbridos”.

[O abstract completo pode ser lido no blog de apoio]
[A autora anuncia que muito em breve o texto da tese vai ficar disponível na web. Cá estaremos para dar notícia].

Anúncios

Controvérsia

“Geraldine Ferraro, uma das mais influentes políticas norte-americanas e a única democrata que foi candidata à vice-presidência dos EUA, em 1984, abandonou hoje o cargo honorífico que ocupava na campanha de Hillary Clinton, depois de ter dito, há poucos dias, que Obama só chegou tão longe na sua candidatura porque é negro e depois de ter acusado os meios de comunicação social de o ajudarem por serem machistas”.

Abertura da notícia “Assessora de Clinton demite-se após comentários controversos contra Obama“. Público – Última Hora, 13.03.2008 –