20 anos de TSF

A TSF assinala amanhã a passagem de 20 anos sobre a data da sua entrada em funcionamento como rádio legal. Foram duas décadas de altos e baixo mas a rádio que nos prometia ‘ir ao fim da rua e ao fim do mundo’ mudou de forma radical o jornalismo português e o entendimento que dele fazia a sociedade.
Com a TSF (e, numa outra dimensão, com o Independente) o jornalismo nacional foi abanado em finais da década de 80, nos seus ritmos, na postura perante os actores sociais, na sua presença junto das pessoas e das suas causas. A promessa da rádio que foi para a rua, da rádio que – depois do advento da TV – precisou de se reinventar com base na proximidade só começou a cumprir-se em Portugal, de facto, com a explosão das rádios piratas, caldo em que fervilhava já a TSF.
O ‘estilo TSF’ – e isso talvez funcione em desfavor da estação neste momento da sua vida – disseminou-se de tal forma (passando para outras rádios – a Antena 1 é, neste momento, claramente um exemplo – para a televisão e mesmo para as agendas dos jornais) que é quase impossível já distingui-lo. Foram os primeiros tsf’s que o criaram mas popularizou-se e é hoje de todos; à falta de melhor imagem, é uma espécie de software livre do jornalismo nacional.
Esse mérito é deles, dos tsf’s originais e dos tsf’s que, ao longo de duas décadas, deram muito do seu génio e empenho a uma casa que é uma causa – a Rádio.
Muito haveria, talvez, para dizer sobre o que correu mal, o errado, o menos prestigiante…mas só se molha quem anda à chuva e é esse andar à chuva que agora se assinala.
Alguém o faz, tentando, todos os dias, há 20 anos.

“já corremos de mãos dadas
a mais secreta noite do mundo
já subimos ao alto da montanha
sabemos todos os nomes do medo e da alegria
em ti me transcendo
podia morrer nos teus olhos
se nestes dias de cigarras doidas
perderes de vista o meu coração vagabundo
dá-me um sinal
abraçar-nos-emos de novo
antes dos rigorosos frios
de novo o grande sobressalto
o formidável estremecimento dos instantes felizes
podia morrer nos teus olhos amada rádio”

Fernando Alves