Sobre a (in)dependência dos media

Apreciei a leitura de “Um mundo irreal”, a coluna de hoje de Pedro Magalhães, no Público. No final, dei comigo a pensar no seguinte cenário, inspirado por uma experiência relatada no texto: a prosa de Pedro Magalhães era dada a ler a um grupo de pessoas que entendem que não há, actualmente, em Portugal,  nenhum condicionamento grave da liberdade e independência dos media; e era, ao mesmo tempo, dada a ler a um outro grupo integrado por pessoas que consideram que estamos quase como (ou mesmo pior do que) no tempo de Salazar. Provavelmente nenhum deles gostaria do que escreveu o autor.