Daniel Cornu, provedor e blogger

Se reflecte ou estuda a ética e a deontologia jornalísticas deve conhece o nome de Daniel Cornu, nomeadamente através da leitura da sua obra (traduzida em português) “Jornalismo e Verdade” (Ed. Piaget). O que talvez não saiba é que ele exerce, já há algum tempo, a função de provedor não de um jornal, mas do conjunto de meios impressos do grupo suiço (e multinacional) Edipresse (ligado, em Portugal, à Impresa).

Esta ideia de provedor de um grupo de imprensa, que também já foi aventada, mas não concretizada num grupo de media português, existe em três grupos suiços e pelo menos em um dos Estados Unidos da América, segundo informa o próprio Cornu.

Porém, acrescenta, “chaque journal a ses traditions, sa culture d’entreprise. Il est lié à son public par un ‘contrat de lecture’ implicite. Le médiateur doit donc en tenir compte. Il ne peut manquer de le faire puisqu’il est, en somme, le représentant des lecteurs et se fonde sur leurs réactions”.

Foi no blogue de Daniel Cornu – La Page du Médiateur – que encontrei, num post datado de ontem, uma interessante nota sobre o novo livro do jornalista francês Jean-Marie Charon [« Les journalistes et leur public : le grand malentendu », Paris, Vuibert, 245 pp.] sobre “o mal-entendido persistente entre as expectativas do público e a prestação dos media”.