Assinalar os 50 anos do “Telejornal”

Em Outubro de 2009, o Telejornal da RTP1 festeja os seus 50 anos. Para além do simbolismo da data, há ainda outros elementos que tornam mais relevante esse aniversário: ao reflectir aquilo que se considera serem os acontecimentos mais importantes de Portugal e do mundo, o Telejornal vai espelhando um certo modo de olhar a nossa sociedade e, simultaneamente, desenhando um determinado espaço público. Por outro lado, este programa vai não só absorvendo o modo de fazer jornalismo próprio de uma época, como também ditando diferentes contornos para o campo jornalístico que, nestes anos, foi adquirindo renovadas configurações.

Uma equipa de investigadores do Centro de Estudos Comunicação e Sociedade da Universidade do Minho (CECS), dando continuidade à investigação que vem desenvolvendo sobre a informação televisiva, vai assinalar os 50 anos do Telejornal com um conjunto de iniciativas. Uma delas será a edição de um número da revista “Comunicação e Sociedade” (nº 15) dedicada aos noticiários televisivos, que pretende sistematizar os estudos desenvolvidos neste domínio. Neste contexto, convidamos os membros da SOPCOM, principalmente os membros do GT de Estudos Televisivos, a participarem neste número. Pretendemos reunir textos que incidam nos seguintes aspectos:

* Lugar do telejornal na programação dos canais generalistas ao longo dos 50 anos

* Alinhamentos dos noticiários (em período de monopólio e/ou pós-privadas)

* Informação e serviço público de televisão

* Telejornal enquanto género em mutação

* Tendências de evolução da informação televisiva no contexto do digital

* Estado da arte sobre a investigação académica da informação televisiva

* Linhas de estudo/análise da informação televisiva

Os autores que desejem submeter artigos devem enviar os originais em formato electrónico até 30 de Abril para cecs@ics.uminho.pt e felisbela@ics.uminho.pt  

Auto-regulação avança

Três notícias sobre iniciativas muito recentes (e muito concretas, e muito interessantes…) nos domínios da auto-regulação:

1) O Expresso reformulou e ampliou o seu Código de Conduta, conforme tinha anunciado na edição comemorativa do seu 35º aniversário. É útil que os leitores o conheçam, para que possam também apreciar o seu cumprimento.

2) Em Espanha, o diário Público (não confundir com o homónimo português) adoptou, numa iniciativa pioneira, um código auto-regulador especificamente para a informação sobre violência de género. Indicações muito precisas sobre a terminologia a utilizar, sobre procedimentos a não esquecer, constituem um compromisso do jornal com os seus leitores em forma de “Dez Mandamentos”. Como o próprio periódico explica: “A partir de ahora, desde la redacción de Público nos comprometemos a que nuestro decálogo sea de obligado cumplimiento y pedimos a nuestros lectores que así nos lo exijan“.

3) Ainda em Espanha, o jornal LaVanguardia.es – edição digital do conhecido diário de Barcelona La Vanguardia — decidiu criar um Conselho Editorial dos Usuários, espécie de órgão auto-regulador que diz pretender “romper la historica distancia existente entre los medios informativos y su audiencia”. (Informação recolhida no blogue E-Periodistas, de Ramón Salaverría, que recorda, a propósito, a criação, em 2006, de um outro organismo semelhante: um Conselho de Leitores na revista Tiempo).