Novo blogue sobre postais ilustrados

Acaba de ser criado o blogue “Postais Ilustrados”. Os autores estão a desenvolver um projecto que pretende contribuir para uma socio-semiótica da imagem e do imaginário, bem como reapreciar os media tradicionais a partir destes meios aparentemente marginais.

Anúncios

Jornais em auto-análise (not)

Porque há dias assinalámos aqui a proposta de uma actuação mais dinâmica do novo Provedor do jornal Público e fizemos eco da iniciativa ‘El Mundo por dentro’ importará dar também conta de um movimento em sentido contrário.
O Baltimore Sun vai trocar o seu provedor por um blog, onde os leitores podem apresentar questões, que serão respondidas pelos vários editores. Há, naturalmente, mais do que uma leitura a fazer sobre esta atitude mas penso que a nenhuma delas pode escapar a imagem de uma visão estreita sobre o papel do provedor e a desvalorização de um relacionamento multi-facetado com os leitores.
Anda muita poeira no ar…

Sugestão recolhida no The Editorialiste.

A despedida de (bob) Bill Gates

A mostra da Consumer Electronics Association (CEA) deste ano abriu, uma vez mais, com o tradicional discurso de Bill Gates.
Mas desta vez foi o último, enquanto presidente da Microsoft.
À semelhança de anos anteriores, Bill fez-se acompanhar de um video.
Este é sobre ele próprio e conta com a ajuda de inúmeros amigos famosos…

“Página Um” – 40 anos!

Relativamente ao ano de 1968, regista o site “História da Rádio em Portugal” [página “A Rádio em Portugal em Datas“], de Jorge Guimarães Silva, uma efeméride que faz por estes dias quarenta anos:

“Começa a ser transmitido a 2 de Janeiro, pela onda média da “Rádio Renascença”, o programa “Página Um”, realizado e apresentado por José Manuel Nunes e Luís Paixão Martins. Faziam parte da equipa para além dos realizadores: Adelino Gomes, Homero Cardoso, Fernando Santos, Fernando Tenente, Amaral Marques, Maria Emília Correia, Fernando Cascais, Viriato Dias, Joaquim Letria, António Cartaxo e António Borga, os três últimos da BBC, elementos da Voz da América e da Deutche Welle, Rui Pedro, Artur Albarran, Moreno Pinto e José Videira. O programa conciliava a reportagem do quotidiano lisboeta do fait-diver, mas aos poucos, foi-se especializando para abordar as questões políticas e sociais. O governo chegou a suspender a transmissão do programa durante um mês e dez dias. Uma ocasião, o programa organizou um grande espectáculo musical, no Colégio dos Salesianos do Estoril, em que participou o extinto Conjunto 1111 e que começou logo após a hora do almoço e se prolongou até cerca da hora do jantar. Sem qualquer aviso, sem qualquer razão ou motivo, a meio da tarde, a Polícia de Choque invade o Colégio e os seus elementos começam a bater, indiscriminadamente, em quem encontravam pela frente, atiçando os cães a tudo o que mexesse. Foi assim que muitas pessoas que se encontravam na Arcadas do Estoril, ou que passavam pelas cercanias, foram espancadas, inclusivé mulheres grávidas, idosos e até turistas. Naturalmente que tal violência provocou enorme indignação (um dos filhos do professor Marcelo Caetano foi fortemente espancado) e muitas famílias da zona, bem posicionadas, lavraram o seu forte protesto. O resultado foi, apenas, a transferência do capitão Maltês. Naqueles tempos a rádio mexia com o sistema, era saudavelmente incómoda e os programas não se limitavam a ser gira-discos.”