Crise no jornal Le Monde

lemondeO director editorial do diário francês Le Monde, Eric Fottorino, recuou na sua intenção, anunciada a 19 de Dezembro, de se demitir do cargo. Soube-se, entretanto, que o presidente e o vice-presidente do grupo no qual o jornal se integra, se demitiram. O mesmo aconteceu com os subdirectores que acompanhavam até agora Fottorino. Numa explicação que hoje assina no jornal, o director considera a crise “grave”.
O motivo imediato desta crise residiu na decisão do principal accionista do grupo – precismente a Sociedade dos Redactores de Le Monde – de aprovar o orçamento para 2008 de uma filial, Le Monde Interactif. Mas o problema de fundo reside na condução estratégica do grupo e no facto de este, actualmente, com cerca de 1600 empregados, ter um montante de dívidas da ordem dos 150 milhões de euros.
Explicando a sua posição, escreve Eric Fottorino:
Le Monde doit rester un journal de journalistes. Là est son socle de naissance, sa raison d’être et sa destinée. En demeurant à mon poste, j’entends préserver le dialogue nécessaire entre nos sociétés de personnels et nos actionnaires dits externes, si proches et si précieux, qui nous accompagnent avec constance et dévouement dans notre aventure, unique en ce pays.

Anúncios