A falta de um ‘sobressalto moral’

“(…) Os jornais do Porto e alguns desportivos, cujo papel na denúncia deste tipo de ‘meios’ [ do ‘Apito Dourado’, da claque do FCP, da ‘noite’ portuense] é escassa para não dizer nula, mesmo quando agressões violentas a jornalistas os deveriam ter obrigado a um sobressalto moral, fazem assim um péssimo serviço à cidade e aos seus valores. Deveriam lembrar-se do rol das agressões a jornalistas que se estende desde o final dos anos 80 até aos dias de hoje e em que os jornalistas desportivos têm um lugar de honra, mas não só. Carlos Pinhão, Eugénio Queirós, João Freitas, Manuela Freitas, Marinho Neves, Paulo Martins, entre outros, a que se associa José Saraiva, militante do PS e director durante muitos anos do Jornal de Notícias, já falecido, conheceram o “meio” na prática. O mais espantoso é que muitos deles nunca apresentaram queixa, outros nunca souberam o resultado das suas queixas, e mesmo quando as agressões são públicas, não se passa nada. Nunca se passa nada e nunca ninguém quer ver. E quando se fala do que está à vista de toda a gente, é uma conspiração ‘lisboeta’, ‘benfiquista’, contra o Porto, o Norte e o FCP e os tambores do ressentimento regionalista rufam contra os ‘mouros’ (…)”.

José Pacheco Pereira in Público, 15 de Dezembro de 2007

Anúncios

Bolsas nos EUA para jornalistas

A FLAD – Fundação Luso-Americana e a Fundação Gulbenkian anunciam a abertura de candidaturas para a “Nieman Journalism Fellowship”, da Universidade de Harvard, A FLAD informa ainda sobre bolsas para jornalistas nos EUA, no quadro do “Programa José Rodrigues Miguéis” e do “Programa Alfredo Mesquita”.

A bolsa da Nieman Foundation destina-se proporcionar a oportunidade para passar um ano académico (2008-2009) na Universidade de Harvard e podem concorrer jornalistas portugueses a tempo inteiro ou freelancers com pelo menos cinco anos de experiência. [de acordo com o site indicado na publicidade inserida na imprensa, o prazo termina hoje mesmo de acordo com um novo anúncio inserido hoje, 19 de Dezembro, no Público, o prazo vai até 10 de Janeiro]

Quanto ao “Programa José Rodrigues Miguéis”, o prazo termina a 15 de Janeiro. Trata-se de uma bolsa de curta duração (entre 25 de Maio e 21 de Junho de 2008, duas semanas em Washington e outras tantas no (“Committee of Concerned Journalists”). Pode concorrer jornalistas com idades entre os 30 e os 38 anos, com um mínimo de cinco anos de carreira profissional. São critérios de preferência ter um contrato a um órgão de comunicação social e ser possuidor de um curso de licenciatura). Os candidatos terão de se submeter a prova oral e escrita de lingua inglesa, no processo de selecção.

O Programa Alfredo Mesquita tem características idênticas ao anterior, mas dirige-se expressamente a jornalistas açorianos.

“Do lado das fontes”

Correio da Manhã – O que pensa do jornalismo hoje?

Luís Marques – O jornalismo está a viver uma fase difícil, mas não está tão mal como alguns afirmam. O problema é que o sector mudou muito nos últimos anos, principalmente do lado das fontes, e o jornalismo não soube responder e acompanhar essas mudanças. A mim faz-me confusão, por exemplo, que se considere normal o intenso trânsito entre as redacções e as assessorias de imprensa, especialmente as governamentais. Devia haver um código de ética relativamente a estas situações, medida que já propus na RTP.

Entrevista do Correio da Manhã a Luís Marques [administrador cessante da RTP]