Kindle – mais do que um suporte de livros e jornais?

Um pouco mais de 25 mil livros de ficção e mais do dobro de livros de não-ficção estão disponíveis para serem descarregados para o Kindle, um leitor de livros digitais que a Amazon acaba de lançar no mercado.

Kindle da Amazon

Pesando menos de 300 gramas (e cada grama a cerca de 1,3 euros), o Kindle esgotou pouco depois de ser lançado, por ruptura do stock. O reabastecimento está prometido para o final deste mês.

Dos livros disponíveis (para serem comprados) pode ser lido em regime de livre acesso o primeiro capítulo. Jornais e revistas bem como blogs podem também ser acedidos, mediante pagamento. Tudo é acedido através de um sistema de wireless cujo preço está incluído nos pagamentos das aquisições. Tudo a facturar para a Amazon, ficando sem se saber se os jornais e blogs recebem ou não parte das verbas cobradas.

A grande dúvida: salvaguardadas as limitações que a actual versão pelos vistos comporta (e que poderão ser rapidamente ultrapassadas), habituar-nos-emos a ler no ecrã? Se a definição ajudar, creio que isso vai acontecer. E assistiremos seguramente a novos hibridismos e convergências.

Comentários sobre o novo gadget, por exemplo: no Transnets, no BoingBoing, no X-primo.

ACT.:
Kindle: au soleil comme au lit

Anúncios