“O poupar sai caro”

O desinvestimento que os órgãos de comunicação social tem feito no jornalismo político e, dentro dele, na cobertura partidária está à vista nas paupérrimas reportagens feitas do Congresso do PSD, em particular na televisão. Todos os defeitos do jornalismo, o “pack journalism”, todos a dizerem as mesmas coisas, todos a repetir sem cessar as mesmas palavras. Era o “presidente” e o “administrador executivo”, era o “pedido de casamento” a Manuela Ferreira Leite, era o “tabu” da liderança parlamentar,– a palavra “tabu” devia ser proibida durante dez anos nos jornais – eram mais duas ou três coisas, sempre as mesmas, o fala-não-fala de Lopes alimentado pelo próprio e repetido n vezes. Enfim, muito pouco. A despolitização deste tipo de relatos, somada à repetição dos mesmos momentos “espectaculares”, reduz a política ao protagonismo pobre e, como o espaço é limitado, esta vacuidade “ocupa” tudo”.
J. Pacheco Pereira, Abrupto, 20.10.2007

Anúncios

2 thoughts on ““O poupar sai caro”

  1. Ponham, seja na política ou no Jornalismo, o primado da competência acima do da subserviência e encontrarão um salutar equilíbrio. Até lá teremos mais subservientes do que competentes, até porque a profissão de subserviente é muito mais, mas muito mais, bem paga.

  2. pena que o pacheco pereira só veja sic noticias e n passe cartão à transmissão da rtp n. Pena que o pacheco pereira só leia jornais para “intelectuais”.

Os comentários estão fechados.