Livre acesso ao NYTimes e ao IHTribune

“Os montantes das assinaturas ficam aquém dos potenciais rendimentos obtidos através da publicidade que advêm do maior tráfego de um site aberto”. É deste modo que o New York Times (NYT) justifica a decisão de tornar livre o acesso a conteúdos do seu site que eram até agora pagos.

A medida estende-se também ao International Herald Tribune, detido pela mesma empresa.

Para o seu programa de assinatura do conteúdo de certos colunistas, TimesSelect, o NYT conseguira, em dois anos, perto de 230 mil subscritores, que proporcionaram rendimentos da ordem dos dez milhões de dólares anuais. Mas as projecções de crescimento levaram a empresa a concluir que esse não é o caminho do futuro. É que, quando há dois anos tomou a decisão de limitar o acesso, não previa o fluxo de potenciais leitores que motores de pesquisa como o Google e o Yahoo ‘despejam’ diariamente no seu site e que, encontrando motivos para o frequentar de forma mais intensiva e demorada, se convertem em alvos mais atraentes para os anunciantes.

É nessa linha que se compreende a outra medida também tomada e com efeitos a partir de amanhã: tornar livre o acesso aos arquivos do jornal nos últimos 20 anos, assim como de 1851 a 1922.

Cá, pelos vistos, as contas que se fazem apontam noutras direcções [com o Expresso online a destoar].

Anúncios

One thought on “Livre acesso ao NYTimes e ao IHTribune

  1. Grande notícia já me irritava tentar ver as críticas de cinema e estarem constantemente a pedir o registo. As voltas que o on-line dá, agora que os conteúdos pagos já pareciam uma realidade, se bem que longe da aceitação de muitos de nós, eis que há um novo volte-face… a reflectir…

Os comentários estão fechados.