Estrela Serrano esclarece posição da ERC

ercÉ completamente abusivo e pouco rigoroso afirmar, como se lê hoje em alguma imprensa, que o Governo e o PS vão ter 50% do tempo de informação da RTP e a Oposição parlamentar 48% e extra-parlamentar 2%“. A afirmação é de Estrela Serrano, membro do Conselho Regulador da ERC, em esclarecimento enviado a este blogue, a propósito das notas aqui publicadas esta manhã. “De facto – acrescenta a nota – a ‘pequena’ nuance é que esta avaliação incide apenas sobre as peças em que os partidos e o Governo surjam como protagonistas. E não sobre toda a informação emitida pela RTP.
Estrela Serrano faz notar, por outro lado, que “o operador de serviço público mantém a sua liberdade editorial, uma vez que a avaliação se faz à posteriori e num tempo alargado”. “Isso contempla, naturalmente – prossegue a nota – o facto de a actualidade poder determinar que uma força política/partidária possa, em determinados momentos, obter uma cobertura de maior expressão“.
Esclarece, por outro lado, que, “semestralmente, a ERC publicará os resultados dessa avaliação indicando, por um lado, os valores percentuais obtidos por cada força política e pelo Governo e, por outro, a análise qualitativa desses dados. Significa isso que os dados quantitativos são sempre relacionados com os qualitativos“.
Estrela Serrano nota, a terminar a sua resposta a este blogue:
Compreendem-se as reacções vindas a público uma vez que é a primeira vez que em Portugal se utilizam critérios e metodologias testadas no campo universitário das ciências da comunicação e da sociologia da comunicação que enriquecem uma regulação até agora apenas baseada na interpretação casuística dos preceitos legais ou no subjectivismo do regulador. As críticas são sempre muito úteis e este texto não pretende mais que contribuir para que a discussão seja informada e não baseada em notícias pouco rigorosas“.

Ler o texto integral do esclarecimento de Estrela Serrano: AQUI.

Actualização  (14.05): Recomendo, a este propósito, o debate no Observatório de Imprensa (incluindo os comentários ao post), envolvendo Joaquim Vieira, Estrela Serrano e Paulo Querido.