Manuel Carlos Chaparro na blogosfera

O Doutor em Ciências da Comunicação, Manuel Carlos Chaparro, lançou o blogue “O Xis da Questão” que, segundo suas próprias palavras, tem como objectivos “fazer a reflexão crítica da acção jornalística nos processos da actualidade, desenvolver práticas pedagógicas de desconstrução do discurso jornalístico e desenvolver linguagens e formas de socialização do conhecimento”.

Chaparro iniciou sua carreira como jornalista em Lisboa. Emigrou para o Brasil em 1961. É professor de jornalismo da Escola de Comunicação e Arte da Universidade São Paulo.

Anúncios

50 anos … de um país chamado Portugal

Grande parte das opiniões sobre os 50 anos da RTP desancam no operador público. Por se esquecer do serviço – público – que deveria prestar. Por ser correia de transmissão do poder do momento. Por nos devolver um mundo pimba. E até mesmo por existir.
Do que tenho lido, estranho e entranho duas coisas. A primeira é que não haja muito mais gente – não apenas aqueles que sempre escrevem e opinam – a manifestar o que acham da RTP e desejam que ela seja. E nisso a própria RTP tem muitas culpas, porque podia fazer-se muito mais “de todos e de cada um” de nós.
A segunda nota é que muitas flechas disparadas na direcção do operador público têm implícita a pena de a RTP não ser, digamos, a BBC. Ora sobre isto, esquecemo-nos de dizer, ao mesmo tempo, que nós também não somos a Inglaterra.
Muitas das observações sobre a RTP são, afinal, projecções dos nossos impasses e dos nossos limites como sociedade. Projecções num ente convertido em “bode expiatório” que, muitas vezes – é verdade – se põe a jeito.

“Nouvel Obs” e “The Guardian” apostam no vídeo

logo-canalobs-grand O site da revista francesa Nouvel Observateur disponibiliza desde quinta-feira um canal de vídeos sobre assuntos da actualidade e emissões televisivas a que a redacção da revista está ligada. Além da inserção de comentários, é possível descarregar o endereço de cada vídeo (para blogues, por exemplo) e fazer download do som.

Entretanto, era divulgado no mesmo dia que o grupo que edita o diário britânico The Guardian planeia investir um milhão de libras na produção de vídeos sobre a actualidade e na contratação de profissionais para trabalharem nessa área, no quadro de um investimento de 15 milhões de libras que visa fazer passar o site do jornal para a era do web 2.0. O director do jornal sublinhou, na altura, que, numa aposta de longo prazo, o grupo entende estar ainda numa fase inicial de reconversão em ordem a um jornalismo cada vez mais assente na lógica da web.