Os novos mercenários da informação

O investigador canadiano Marc-François Bérnier termina assim um texto publicado ontem no Le Devoir com o título “Accommodement raisonnable – Les nouveaux mercenaires de l’information”:

“De plus en plus, nous avons besoin de lieux de recherche et de débat où l’on puisse analyser de façon critique, rigoureuse et indépendante les pratiques médiatiques qui influent grandement sur la qualité de notre vie démocratique. Il semble que les entreprises de presse soient peu enclines à assumer cette tâche.”

Anúncios

Prós e Contras – razão e coração

O programa ‘Prós e Contras’ de ontem à noite, na RTP1, terá sido um dos melhores de sempre.
A brutal actualidade do tema – o caso da criança no centro de uma disputa de paternidade que já levou uma pessoa a ser condenada a seis anos de prisão efectiva – reforçou a posição ímpar daquele espaço enquanto lugar de discussão pública dos assuntos que, no dia a dia, vão preocupando a maioria dos portugueses. É, nesse sentido (e mesmo tomando em conta os programas em que a produção parece dar o flanco às críticas de submissão à agenda da classe política), um formato plenamente enquadrado numa estratégia de serviço público de televisão conjugando conteúdo de qualidade com sucesso de audiências.
A escolha dos convidados – quase todos profissionais ligados a processos de adopção – deixou na maioria dos telespectadores que optaram por roubar horas ao sono uma noção (para alguns, pela primeira vez) da complexidade deste processo em particular mas, sobretudo, do que pode acontecer a uma criança quando os adultos em seu redor falham e o Estado que tem por obrigação protegê-la não é sensato.
Uma nota adicional para referir a qualidade da intervenção do Miguel Gaspar. Sereno e acutilante enquanto tentava explicar a um juíz que a razão não é objecto de propriedade (de indivíduos ou de classes profissionais) e que uma democracia precisa do questionamento permanente (também) para que a aplicação da lei possa, em todos os momentos, estar mais próxima de cumprir o seu fim – a justiça.

Tecnologia e empowerment – conferência

Terina no fim deste mês o prazo para o envio de propostas de comunicação a apresentar na conferência “Communication Technologies of Empowerment“, que se realiza no dia 18 de Maio, na Universidade de Leeds, no Reino Unido.
Diz-se no ‘call for papers’:

New forms of communication have become a key tool for global social movements. Whether their struggles are focused on questions of global justice, class, gender, race or the environment, activists have found in the decentralized and inexpensive nature of the Internet and mobile telephony the media they needed to organise themselves and make their actions public. Interestingly, these technologies are also being mastered by those actors who want to challenge the national and international orders through violent means. This reminds us that terrorism is in great part a communicative phenomenon, today more than ever before.

(Obrigado, Francisco Seoane)

Previsões da indústria para 2007

O grupo Deloitte de consultadoria e estudos de mercado acaba de disponibilizar um conjunto de análises prospectivas no domínio dos media, das telecomunicações e da tecnologia. Trata-se de um ponto de vista das grandes empresas e grupos do sector, elaborado, nomeadamente, com base em 36 entrevistas igualmente reunidas e publicadas, sob o título genérico “conversas sobre a convergência”: